segunda-feira, 20 de março de 2017

Um tempo que não volta mais!

Pus-me a lembrar da infância, após uma viagem de meus pais a uma cidade a qual pertenci na mais tenra idade, onde talvez tenha constituído minha personalidade! Com um povo diferente, muito diferente daquele com o qual convivo hoje! Onde os laços pareciam mais sólidos!

Lembrei das minhas primeiras grandes amizades de infância e ao lembrar deles, seus nomes, suas identidades, dei-me conta que presentei meus filhos com seus nomes... Interessante isso, não!? Algumas coincidências ou programações? 

Bem lembrei saudosamente de festas e risos... Fiz um pequeno passeio a essa lembrança, a essa antiga cidade e depois pousei aqui onde estou! Lembrei então da minha chegada e quão ardo foi lidar com novos costumes! Novas escolas, novos endereços... Demorou fincar o ninho! Aqui onde vivo a história das pessoas, seus antepassados valem muito! Aqui nós não tínhamos história! Invasores... E "perder"ainda era constante... Laços faziam-se e se  desfaziam facilmente até que meus pais e nós nos encontrássemos! 

Perdi tantas pessoas... perdi seus nomes e endereços... Perdi suas histórias... Viraram lembrança! Uma lembrança enevoada, apesar de fortes laços estabelecidos a infância não nos dá o domínio da escolha de não perder. São nossos pais que optam por nós, nos levam e trazem conforme entendem ser o melhor para nós. Ao menos assim era na época dos meus! Criança não opinava muito! Criança sentia? Se sentia, muito não era dito... 

Então, eu imaginei, mesmo que por um pequeno instante, que se "eu" estivesse em mim, naquela velha infância, diria o quão importante essas pessoas eram! O quanto sentiria imensamente  falta delas! Diria que não queria partir, mas que se assim fosse não as perderia totalmente, queria as manter sempre no meu caderno de endereços e ia ordenar por decreto que meus pais estabelecessem um cronograma de visitas. Distância endurece o coração! Queria meu coração a pulsar sempre com a presença mesmo que intermitente! Mas não se pode ser no passado, né? De que adiantam palavras depois de muitas estações? Palavras mudam, se transformam, se perdem com o tempo... Palavra sem emoção, não é palavra, é uma simples analogia entre letra e grafia! Depois de muitas primaveras, perdem-se locutor e interlocutor no tempo! Um tempo que não volta mais!


Você é assim
Um sonho pra mim
E quando eu não te vejo

Eu penso em você
Desde o amanhecer
Até quando eu me deito

Eu gosto de você
E gosto de ficar com você
Meu riso é tão feliz contigo
O meu melhor amigo é o meu amor

E a gente canta
E a gente dança
E a gente não se cansa
De ser criança
Da gente brincar
Da nossa velha infância

(Tribalistas)

quinta-feira, 9 de março de 2017

Sonhos Estranhos!

Sonhos estranhos.... 

Ano passado, um pouco antes de uma tempestade se impor em minha vida, eu tive um sonho...

Sonhos estranhos...

Estava  eu, em meu quarto, dormindo com meu marido e alguém estava a me observar, mãos sob o queixo, parecia refletir sobre algo para mim, como um anjo ou talvez um demônio, não sei a nobreza deste vulto! Só sei que seus pensamentos focavam-se em mim. Parecia estar a decidir o meu destino! E eu em meu sonho o via e pensava o que decidirá? O quê? Eu estava preza a apenas esperar essa decisão, não pudia intervir, parecia que era a este personagem que o meu destino caberia....


Eu não sabia da tempestade, não haviam indícios de tempestade, e ela veio. Alguns diriam que tive uma espécie de premonição, não!?

Então esse anjo ou demônio decidiu... Ou será que o destino decidiu? Bem alguém decidiu, alguém aquém de mim e a tempestade passou! Ficou o sonho... Estranho! E me encontro as vezes a pensar neste insight louco, meio pré insight e é difícil diante disso não pensar:

A quem realmente pertence nosso destino?
Somos nós reais donos de nossa direção?
Existe alguém arquitentando planos neste universo, planos aquém de nós?


Aqui se perde a razão!







sexta-feira, 3 de março de 2017

Menos é mais!

O meu ano inicia...  40 anos afinal!  Meia vida! Eu sou meia vida! 

E...

Esse ano fiz tudo diferente... Entre um mundo de gente conhecida e gentes desconhecidas, me embrenhei no segundo. O desconhecido nos aproxima de nós mesmos... Estranhos nos fazem migrar para quem nos ama, estranhos nos trazem novidades, estranhos quebram ciclos... Estranhos não nos servem exigências quaisquer... Entre estranhos a gente pode se encapsular em si!

Ao invés de me rodear de afetos, preferi encontrar afetos...

Não... Não fui sozinha! Fui levada por alguém que endossa a mim um grande amor. Ele quis me proporcionar tudo o que mais amo e elaborou um plano insólito! Deve ter se perdido em minhas listas de preferências para me encontrar! E isso é bonito, não! Alguém perder-se em querer agradar o outro... Vá lá que ele tem suas imperfeições e seu deslizes muitas vezes me atormentam, mas já lhes disse ele não me deixa fugir! As vezes quando estou tão cansada... Muito cansada dessas rotinas loucas da vida, ele me acolhe!  

Esse ano é o ano, como já lhes contei... O ano de tudo! O ano dos meus 40 anos... O ano dos meus 20 anos de união... Ano reflexivo... Ano que a gente se perde em analisar tudo que viveu ou não viveu. Bem eu não vivi uma lua de mel! Sim, fiz vagens fantásticas durante nosso namoro. Só que casar aos 5 meses de gestação não planejada e de risco, não facilita muito " a lua de mel". 

Aos meus 20 anos de união tive a minha primeira lua de mel. Ok, o destino ainda não era o almejado, mas ele tinha muito do que o outro me traria! Foram 10 dias eu e ele e o mar! E para mim isso é algo absurdamente raro, temos sempre os pequenos, talvez alguns escapes de 1, 2 dias.  10 dias é sulreal! 

Nesses meus 40 anos não faltou cor eu tinha céu e mar a meu favor! Nesses meus quarenta anos não faltou calor, eu tive o sol a brilhar intensamente... Nesses meus quarenta anos eu tive amor de quem quis me agradar a cada segundo... Nesses meus 40 anos eu alimentei sentidos com aromas e sabores. Nesses meus 40 anos não faltou vinho... nem queijo... Nesses meus 40 anos só tive sorrisos... Nesses meus 40 anos escancarei a minha vida e percebi a beleza gigante que existe e existiu em cada pequena pedaço da minha história!

Isso me fez analisar meu movimento atual de tanto socializar, percebi que preciso mais que gente, preciso de afetos reais, pessoas reais, amizades reais... Dentre milhares de grupos divididos passei a me pergunta: Tantas pessoas! Tantos sorrisos... Mas e se faltarem sorrisos... E se o céu turvar... Quantos reais encontros existem?

Eu sei quais!
Você sabe!?

Então, vou buscar um ditado antigo para dizer o que desejo para mim neste ano:

" Menos é mais."

Estou querendo esse mais!!!!



terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Só mais um pouquinho!

Quando você ficou chata?

Eu fiquei infinitamente chata nos primeiros anos dos meus filhos. Infinitamente chata aos extremos. Não sei em qual dos dois fiquei pior! A causa? A responsabilidade por um outro serzinho e parece que o mundo cai em nossas costas. Os meninos, nossos maridos? Bem, falo do meu e de alguns que conheço parece que deslizam pelo caos. Como se o caos fosse algo que não os antingisse. A vida esta de pernas para o ar, a gente tenta da conta do mundo e eles dormem, ou riem, ou brindam com os amigos... E a gente fica insuportável pois quer 5 minutos no banho, ou sentar-se a mesa em silêncio profano e quem diz que podemos! Tiram de nós esses pequenos direitos e é ultraje esperar que a gente não fique um pouquinho chata!

A gente ganha um balde de responsabilidade insano, existem muitas listas a cumprir a de boa mãe, boa esposa, boa filha e boa profissional. E estamos exaustas. Zumbis são chatos, não!? Terrivelmente chatos!

Claro que as coisas melhoram, mas se demora a perceber o quão chata se ficou. Aos 20 anos subimos montanhas, procuramos lugares inoportunos para namorar, somos expansivas. Quando um bebê chega nos despedimos de nós para nos tornarmos a mãe perfeita e chata. A sua não era? Claro que sim... cheia de normas e regras, nada de espontaneidade. Então você se dá conta que encarnou traços, aqueles que tanto te irritavam enquanto filha, por um período você se tornou sua mãe e melhor... Aprimorada! tanto conhecimento a nosso alcance, obviamente seremos melhores em cuidar, proteger... Infelizmente abandonamos traços que nos tornavam marcantes, atrativas...

As crianças crescem e então a gente percebe e é abarrotada por perguntas internas, a mim atingida fortemente aos 35 anos:

Onde estou?
Quem é essa pessoa?
Meus sonhos se perderam?

Desde então resolvi que sim, as vezes, sou chata, é preciso, aqui sou a voz de comando da casa, me sinto o general! Eles não acham nada, não fazem nada, não encontram nada sem o meu comando. Só que ficar presa a essa intocável moldura de porta retrato não me faz feliz. Não me serve ser a mãe perfeita e chata!

Então eu me dispo dessa figura criada pelos nossos ancestrais, essa imagem psicológica que desenvolveram na gente para que fossemos perfeitamente chatas... E encontro esse meu outro eu fascinante! Uma "menina" de quase quarenta anos, atrativa e sorridente, impulsiva, espontânea que tem idéias mirabolante  e por fim de chata não tem nada! Excêntrica, talvez seria a melhor denominação! Faz coisas de criança como rolar na areia, tomar banho de mar, procurar espaços inoportunos, escalar o Everest se houver convite... 

Sabe por quê? Quando a gente se encontra com o peso da responsabilidade nos ombros paramos de viver! Pensamos apenas naquele pequeno ser que tanto precisa de nós e esquecemos que nós também precisamos de nós... Que para eles e para nós o tempo é curto.... E sim nesse mundo insano todos somos crianças a desbravar! 

E aqui me vem a mente, Renato Russo a cantarolar:

"Você me diz que seus pais não entendem
Mas você não entende seus pais
Você culpa seus pais por tudo
Isso é absurdo
São crianças como você
O que você vai ser
Quando você crescer"



Daí lhes pergunto: Há tempo a perder? 

As crianças ainda não atingidas pela estupides que toma os adultos  em ação  lhes dirão:

- Agora não mãe, só mais um pouquinho! Só mais um pouquinho!

Bem, eu, como elas adoro só mais um pouquinho! Só mais um pouquinho do que nos faz feliz! 40 a escancarar a porta e acho que finalmente me encontrei!


Todos os dias quando acordo
Não tenho mais o tempo que passou
Mas tenho muito tempo
Temos todo o tempo do mundo

Todos os dias antes de dormir
Lembro e esqueço como foi o dia
Sempre em frente
Não temos tempo a perder

Nosso suor sagrado
É bem mais belo que esse sangue amargo
E tão sério e selvagem
Selvagem, selvagem

Veja o sol dessa manhã tão cinza
A tempestade que chega é da cor dos teus olhos
Castanhos

Então me abraça forte
Me diz mais uma vez que já estamos
Distantes de tudo
Temos nosso próprio tempo
Temos nosso próprio tempo
Temos nosso próprio tempo

Não tenho medo do escuro
Mas deixe as luzes acesas agora
O que foi escondido é o que se escondeu
E o que foi prometido, ninguém prometeu

Nem foi tempo perdido
Somos tão jovens
Tão jovens, tão jovens


( Legião)

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Faça planos!

Sabe aquela bela história que alguns pensadores vivem nos contando, aquela que diz que  estamos prontos a reescrever nossa história a todo e qualquer tempo? Que todo dia é dia de recomeçar.... Sim eles pensam que sofremos de Alzeihmer! Você já não pensou isso ? Com uma cara truncada exclamou mesmo que em silêncio: Insanos!

Provável que sejam... Mas a nós humanos foi dado esse poder de desmemoriar! Como assim? Bem se ficássemos pensando 24 h por dia nas possibilidades terríveis que nos cercam, no mínimo nunca mais sairíamos de casa! Mas o fato é que "lá fora" é tão lindo que vale a pena morrer, não!? Pode ser num acidente, ou por acaso... Não dá para negar a qualquer instante podemos ser pego por esse trem a outro destino! E por isso perderíamos essa viagem fantástica que é a vida? Não dá, né!?

Então não é reescrever... Minhas amigas riem... Gosto de dize:

- Abstrai amor! Abstrai!

Quando não complemento:

- Abstrai e  finge demência!
(frase clichê que li a algum tempo, mas achei que tinha tudo haver comigo, fiz apropriação indevida, ninguém a requereu, então continuo a usá-la por aí!)


Eu sei que a gente vê além do horizonte, ou acha isso, somos cheios de razão... Eu sei...

-Mas abstrai amor e vê com olhos fantásticos, um tanto otimistas, enxerga a imagem preto e branco em colorido, não perca tempo para lágrimas, tente enumerar sorrisos! Se for difícil, muito difícil, desvia o foco! Quando a vida não nos trás naquele instante o que nos esperamos, se ocupa!


John Lenon  deve gritar ainda, em outro plano:

"A vida é aquilo que acontece enquanto você está fazendo outros planos."

Então faça planos,
 um milhão deles,
 porque o universo conspira, sempre conspira! 

E se algo te pertencer... Se algo algum dia precisar estar a teu alcance, relaxa... Relaxa que chega! Nada na vida é estanque, menos ainda nós seres humanos!

Então abstrai amor e faça planos... Muitos planos e vamos ver o que a vida te trás!



quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Eles crescem!

Os filhos crescem... 

Ouvi isso de meus pais, caso você tenha filhos também deve ouvir dos seus!

A vovó já seria mais sabia e diria:

Filhos são do mundo!

Mas não acreditamos, ou apenas não conseguimos "sentir" o que é isso! 

Estou numa fase onde eu estou tendo que viver essa sensação cortante! E tenho certeza que vai piorar... Tenho certeza que com o passar dos anos vou ouvir menos suas vozes, ver menos seus sorrisos! Eu me dediquei arduamente aos meus pequenos! Não há arrependimento algum de cada minuto que dediquei a eles, mas eu não sabia, apesar de saber... Saber não é viver!

Minha mãe se dedicou aos extremos a seu marido, muito mais que a nós, ele foi seu foco. E ela me dizia vocês iram partir! Ele não! É com ele que passarei o fim dos meus dias... Ela sabia.... Eu não... Eu nunca soube!

Eu tinha aquela sensação de que o fato de eles existirem, deles estarem ali definiria o eu nunca mais sentir-me só! Se o mundo não me sorria eu me alimentava de nossas trocas, nossos dias felizes! Se havia briga, discordia, desamor, esbanjávamos carícias! Isso acaba sabia ?

Se não sabia vou te contar! Eu sei que você ouviu um dia, mas se engana como eu... Eles vão partir... Não vão olhar para trás... Não é maldade, é a vida! Simples assim! Eles vão seguir sonhos e desejos... E sim você continuara sozinha(o)! Esse pequeno tempo entre o nascimento e adolescência foi uma espécie de limbo, uma ilusão, uma chuva de otimismo como a de Voltaire, mas ela não é real! O real é que eles vão seguir em frente e isso é o natural. Você os criou para o mundo, lembra!

Bem... Eu criei os meus assim... Para serem fortes, independentes, seguros, decididos... E assim são! Eles já não me consideram a pessoa mais legal do mundo, a melhor companhia de todo sempre... Eles tem outros momentos que hoje se fazem mais especiais! Sabe aquelas conversas diárias, aquela tagarelice que por vezes cansava... Ela vai embora e o silêncio invade! E preciso quase escavar uma pequena sílaba!

E daí a ilusão se desfaz e nos damos conta de que não nada ficara bem por eles existirem.

Se você se faz só... Se você se afasta do mundo e se fecha em uma realidade alternativa é bom que isto te baste! E de nada adianta se enterrar em trabalho, os aposentados constantemente nos falam: Eu deveria ter tido mais tempo.

 Titãs poetizaram:

Devia ter amado mais
Ter chorado mais
Ter visto o sol nascer
Devia ter arriscado mais e até errado mais
Ter feito o que eu queria fazer
Queria ter aceitado as pessoas como elas são
Cada um sabe a alegria e a dor que traz no coração

O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar distraído
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar...

Devia ter complicado menos, trabalhado menos
Ter visto o sol se pôr
Devia ter me importado menos com problemas pequenos
Ter morrido de amor
Queria ter aceitado a vida como ela é
A cada um cabe alegrias e a tristeza que vier

O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar distraído
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar...

Devia ter complicado menos, trabalhado menos
Ter visto o sol se pôr.


Eu sugiro que  o melhor é...

Que você exista... É melhor que você tenha metas, desejos, sonhos... É melhor que você tenha juntado amigos... É melhor que a sua relação seja sólida, que não se seja apenas pais, porque se esse não foi o caminho, o seu mundo simplesmente acaba!

Talvez por isso alguns casamentos se desfaçam... 
Talvez por isso algumas mulheres se deprimam... 
Talvez por isso algumas pessoas desistam de si!
Talvez por isso alguns se enterram em qualquer coisa, mantendo a ocupação para esquecer!

E apesar de efetivamente eu não saber de tudo isso, eu preferi  apostar em várias possibilidades para ser feliz e existir, tive sorte de ser estapeada pela vida ao adoecer. Talvez se isso não tivesse acontecido hoje eu estaria perdida!

Então lhes digo e repito:

"Eles crescem!"

Não se esqueça nunca disso!

E sim eles vão partir! 

Parece que não... 
Não há ninguém que os conheça melhor que você, eu sei...
Eu também um dia pensei assim... 


e eu insisto, pois se precisa ouvir repetidamente:

Eles vão partir!
Parece que isso se dá só com os outros, mas eu lhes garanto, com todo mundo é igual!

E aí será de novo você, só você e suas escolhas! Então eu espero que você tenha muitas... O bom jogador não aposta em uma única carta, é necessário perspicácia! E necessário vários jogos na mão!

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Inferno astral de novo!



Chuva e frio e lá venho eu a delirar nos meus devaneios... Que estão a me enlouquecer nos últimos tempos! São tantos! Será o "inferno astral' que já divaguei em outros posts com vocês, ano passado, próximo a esta data! Aquele que nos acompanha na troca de dígitos!? A minha troca esta próxima... Quase batendo a porta... Lá vem os enta! E nessa onda meus pensamentos borbulham!

Simm! Sim eu estava tranquila com esse novo degrau, ou ao menos assim eu pensava. Mas andam acontecendo tantas coisas na minha vida ultimamente, tantas revelações incríveis, que estou me sentindo estupefata! Surge romantismo de onde não espera, histórias se cortam, se transformam, medos e desejos se encontram ou desencontram! E daí não dá para ficar a mercê de tudo isso e abstrair, né!?

Hoje estou eu a pensar na influência das pessoas na nossa vida!

Você já quis mudar? Transformar-se? Aprimorar habilidades? Eu sou meio arredia, teimosa, porque não dizer "ranhenta"! Depois de alguns fatos da minha história não permite mais que os outros me alcançassem, determinei minhas mudanças pelo meu julgamento, pela minha experimentação! 

"E quando a gente se dá conta que de repente passou a se preocupar em ser melhor! Seja lá no que for para despertar o interesse, atenção... Há um poder gigante na mão do outro, não?"


Alguém já te inspirou?

Quem nos inspira nos trás sol em dias de chuva...
Nos irrita ao ponto de esbravejarmos e refletirmos...
Nos aquieta a alma e chacoalha também...
Nos faz sonhar... Sonhar muito quando não se sonhava mais!
Nos trás "humor" seja qual for!
A gente volta a se importar! Parece que sai do limbo da segurança de achar que tudo esta certo e como deveria estar...
A gente se torna interrogativo...
Nenhum sim ou não é o bastante, a gente precisa do porquê?


Inspirar não é tarefa fácil, não é qualquer um que nos alcança!

 Nunca se sabe como o "outro" tem esse poder, se é o olhar, se são o hábitos, se é o jeito, ou o cheiro, se é porque há similaridade ou diferença nos pensares. 

A única coisa que se sabe, na verdade é que um invisível laço se estabelece, entrelaçam-se indivíduos e então há mudança!

E quando a inspiração nos foge? Quando ela esvai entre os dedos!?

Inferno astral meus caros, cá estou eu em um inferno astral de novo!