Pular para o conteúdo principal

Um tempo que não volta mais!

Pus-me a lembrar da infância, após uma viagem de meus pais a uma cidade a qual pertenci na mais tenra idade, onde talvez tenha constituído minha personalidade! Com um povo diferente, muito diferente daquele com o qual convivo hoje! Onde os laços pareciam mais sólidos!

Lembrei das minhas primeiras grandes amizades de infância e ao lembrar deles, seus nomes, suas identidades, dei-me conta que presentei meus filhos com seus nomes... Interessante isso, não!? Algumas coincidências ou programações? 

Bem lembrei saudosamente de festas e risos... Fiz um pequeno passeio a essa lembrança, a essa antiga cidade e depois pousei aqui onde estou! Lembrei então da minha chegada e quão ardo foi lidar com novos costumes! Novas escolas, novos endereços... Demorou fincar o ninho! Aqui onde vivo a história das pessoas, seus antepassados valem muito! Aqui nós não tínhamos história! Invasores... E "perder"ainda era constante... Laços faziam-se e se  desfaziam facilmente até que meus pais e nós nos encontrássemos! 

Perdi tantas pessoas... perdi seus nomes e endereços... Perdi suas histórias... Viraram lembrança! Uma lembrança enevoada, apesar de fortes laços estabelecidos a infância não nos dá o domínio da escolha de não perder. São nossos pais que optam por nós, nos levam e trazem conforme entendem ser o melhor para nós. Ao menos assim era na época dos meus! Criança não opinava muito! Criança sentia? Se sentia, muito não era dito... 

Então, eu imaginei, mesmo que por um pequeno instante, que se "eu" estivesse em mim, naquela velha infância, diria o quão importante essas pessoas eram! O quanto sentiria imensamente  falta delas! Diria que não queria partir, mas que se assim fosse não as perderia totalmente, queria as manter sempre no meu caderno de endereços e ia ordenar por decreto que meus pais estabelecessem um cronograma de visitas. Distância endurece o coração! Queria meu coração a pulsar sempre com a presença mesmo que intermitente! Mas não se pode ser no passado, né? De que adiantam palavras depois de muitas estações? Palavras mudam, se transformam, se perdem com o tempo... Palavra sem emoção, não é palavra, é uma simples analogia entre som e grafia! Depois de muitas primaveras, perdem-se locutor e interlocutor no tempo! Um tempo que não volta mais!


Você é assim
Um sonho pra mim
E quando eu não te vejo

Eu penso em você
Desde o amanhecer
Até quando eu me deito

Eu gosto de você
E gosto de ficar com você
Meu riso é tão feliz contigo
O meu melhor amigo é o meu amor

E a gente canta
E a gente dança
E a gente não se cansa
De ser criança
Da gente brincar
Da nossa velha infância


(Tribalistas)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"E se não houver outra vida? Essa tu viveu?"

Esses dias li uma frase, daquelas que aparecem nos feeds de notícia, talvez para nos encontrar em dias distantes. 
Dizia ela:
" E se não houver outra vida?  Essa tu viveu?"
Eu vivi sim... 
Vivi cada segundo com uma intensidade tamanha, vivi cada momento como se fosse único, vivi como se não houvesse amanhã e como se houvesse também! Vivi com uma força extraordinária que por onde passei deixei um pequeno rastro, uma doce lembrança... Vivi para não ser esquecida, para ser guardada e emoldurada dentro de corações! 
Por que!?
Talvez pela doçura do meu modo de ser... Talvez por palavras sábias... Talvez pela coragem que transborda da minha alma... Talvez pela minha sede de viver... Talvez pela minha persistência... Talvez pelo carinho e afeto que transmito a quem eu gosto... Talvez pelas verdades que escorregam da minha boca, sou aquela que diz o que ninguém tem coragem de dizer... Talvez pela minha lealdade... Talvez pela minha sinceridade... Talvez pelo meu bom humor diante de problem…

Felicidade não se expõe

Quem me segue por aqui e me lê por aqui, não acessa um outro lado meu! Acredito que tenham percebido que preso por não divulgar nomes, nem locais, nem pessoas... Na verdade, falo de pensamentos, de acontecimentos, de mim, de alguéns... Qualquer "alguém"! Não interessa "quem"? Alguém que existiu ou existe...
Mas em algumas outras redes sociais exponho um pouco mais da minha vida... Atualmente para pouquíssimas pessoas! Aliás, muito mais da minha vida! E a minha vida é extremamente "cheia" de tudo... 
Pequenos momentos, instantes felizes, em meio, as vezes, a dias  muito atribulados! Mas tão bom ver um raio de sol entre as nuvens, uma joaninha perdida entre folhas! E acabo por administrar assim os meus dias, encontro felicidade em segundos!
E toda a experiência boa acaba por tomar conta do resto! Pense numa lembrança de saudade, a gente não lembra do difícil, da perda, da exaustão para alcançar algo, a gente lembra do que nos fez sorrir! E eu sorrio muito... 
Ma…

Buracos Negros

Hawhing fala sobre os buracos negros, já lhes falei que adoro ele? Agnósico como eu! Pois bem... 

“A existência de histórias alternativas com buracos negros sugere que isso é uma possibilidade. O buraco teria que ser grande e, se estivesse em rotação, poderia ser uma porta para um Universo diferente. Mas você não conseguiria mais voltar para o nosso”
Quase morrer é um buraco negro, não que você tenha escolhido se jogar por vontade própria nele... Simplesmente aconteceu e esse evento muda toda a forma como você vê o mundo, como você se relaciona com o mundo...
Ao se jogar em um buraco negro, você sai soberbo, vitorioso... Você o venceu, mas também sai insignificante, pois dá-se conta que você era uma pião de xadrez no universo de alguém! Quem te garante que você é a rainha ou o rei!???
Quando você renasce,  a bondade exala da sua alma e você crê que tudo mudou, que você será capaz de mostrar ao universo que viver é uma dádiva e isso basta... Que nada ao fim faz sentido, a não ser o amor qu…