Pular para o conteúdo principal

Reeditar

Ventos e ventanias, tempestades e quase um naufrágio. Depois desse inegável caos resolvi buscar ajuda dos universitários...  Bem na minha primeira conversa amistosa ela me diz: Querida o universo conspira para uma nova edição de você!

E eu penso:
Aff! De novo! E daí eu enumero toda minha Lucidez e Insensatez a ela e o que ela me diz, o que eu já sabia. Eu sei que eu preciso de uma nova edição, preciso baixar o aplicativo de atualização para tirar os defeitos, agregar novas habilidades é preciso aprimorar o softwhere. Já fiz isso em outras tragédias que tive pela vida e sei o quão difícil e sofrido é este processo, mas sei também o quão libertador! E como eliminar as tralhas do armário e da casa, você acha que não é um acumulador, mas quando começa a mexer se arrepia até o último fio de cabelo, pois nem em sonho imaginaria poder se apropriar de tantas coisas inuteis na vida!

Bem assim é quase morrer... 

É dádiva e castigo, martirio e prazer... É uma corda bamba de emoções gigantescas, é transbordar. O bom é que quando se passa desta fase de dualidade a gente sente paz, uma paz tamanha de estar resolvido! Assim eu imaginava, jamais resolver tanta coisa de novo... Mas aí vem a vida e te diz que você é mais que especial e a você e concedido esse novo presente de novo!

Então a minha grande tarefa dos próximos dias é decidir:


O que fica?

Quase morrer nos trás certezas e como se  nos tirassem uma venda, ou o óculos 3D, se vê com clareza! Tudo! Cada pequeno momento, experiência, a gente começa a elocubrar e fazer conexões nunca feitas antes! E a gente descobre, mesmo sem querer sentimentos, emoções, jogos de manipulação... E não é mais possível fingir o desconhecido. Escancara-se ao nosso olhar mesmo o que a gente não quer ver! Sabe aquelas pequenas mentiras que a gente conta para amenizar certos fardos, certos vacilos... 

Quem fica?

E aqui é um pouco mais difícil, aqui lidamos com o afeto que julgamos compartilhar com as pessoas.  Temos a ilusão de compartilhar "igual", mas o meu igual é diferente do teu! Nem sempre o que a gente dá, é o que a gente recebe. Ou a gente se ilude, ou nos iludem, ou ambos... E o que a gente faz para limpar essa área da vida? Sabemos quem deve partir, mas há aqueles que não querem se despedir... Há aqueles que nem sabem quantas mágoas nos trouxeram... 

Bem, ao fim sabemos que  como as tralhas inúteis que colecionamos não há outro fim: É preciso deixar ir para essa nova edição rodar!


Primeiro disse: 

-Não!!! Nada de novas edições!

Mas o I Phone ta aí versão 5, 5C, 5S... 6... 7... & e alguma coisa! O mundo não para, né!?

Então eu digo:

- Foda-se! venha a nova versão 4.0.  ? Vai saber... Mas o que eu posso dizer e que quando rodar vai ser Show!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"E se não houver outra vida? Essa tu viveu?"

Esses dias li uma frase, daquelas que aparecem nos feeds de notícia, talvez para nos encontrar em dias distantes. 
Dizia ela:
" E se não houver outra vida?  Essa tu viveu?"
Eu vivi sim... 
Vivi cada segundo com uma intensidade tamanha, vivi cada momento como se fosse único, vivi como se não houvesse amanhã e como se houvesse também! Vivi com uma força extraordinária que por onde passei deixei um pequeno rastro, uma doce lembrança... Vivi para não ser esquecida, para ser guardada e emoldurada dentro de corações! 
Por que!?
Talvez pela doçura do meu modo de ser... Talvez por palavras sábias... Talvez pela coragem que transborda da minha alma... Talvez pela minha sede de viver... Talvez pela minha persistência... Talvez pelo carinho e afeto que transmito a quem eu gosto... Talvez pelas verdades que escorregam da minha boca, sou aquela que diz o que ninguém tem coragem de dizer... Talvez pela minha lealdade... Talvez pela minha sinceridade... Talvez pelo meu bom humor diante de problem…

Felicidade não se expõe

Quem me segue por aqui e me lê por aqui, não acessa um outro lado meu! Acredito que tenham percebido que preso por não divulgar nomes, nem locais, nem pessoas... Na verdade, falo de pensamentos, de acontecimentos, de mim, de alguéns... Qualquer "alguém"! Não interessa "quem"? Alguém que existiu ou existe...
Mas em algumas outras redes sociais exponho um pouco mais da minha vida... Atualmente para pouquíssimas pessoas! Aliás, muito mais da minha vida! E a minha vida é extremamente "cheia" de tudo... 
Pequenos momentos, instantes felizes, em meio, as vezes, a dias  muito atribulados! Mas tão bom ver um raio de sol entre as nuvens, uma joaninha perdida entre folhas! E acabo por administrar assim os meus dias, encontro felicidade em segundos!
E toda a experiência boa acaba por tomar conta do resto! Pense numa lembrança de saudade, a gente não lembra do difícil, da perda, da exaustão para alcançar algo, a gente lembra do que nos fez sorrir! E eu sorrio muito... 
Ma…

Deixa voar...

A idade acaba nos trazendo algumas sabedorias incríveis, não!!??
Esses dias estava eu refletindo sobre liberdade e acabei narrando o quão presa ando me sentindo. A algo que eu mesma me impus! Rotinas fixas de exercícios diários. Imposição minha a mim mesma! E como odeio imposições!
ODEIO estar ou fazer com que outro esteja por imposição. Que coisa Vazia, não!?
Ninguém deveria ser submetido a qualquer imposição... Isso não é disciplina! Tão mais bonito fazer por prazer... por querer...
Muitas pessoas acabam a viver assim... Sem nem ao menos perceberem as manipulações de outrem ou das situações! Dádiva ou castigo perceber essas manipulações! Horrível a gente manipular ou ser manipulado, não!? Pior ainda a gente se auto manipular, com conceitos criados por nos mesmos, para gerar controle em nós mesmos!
Quando somos jovens, algumas inseguranças... Nossos medos e receios acabam forçosamente nos levando a algumas condutas de controle! Em tudo: trabalho, relacionamentos.... Busca-se atingir a met…